CFL @ 22:03

Seg, 30/10/06

Acabou. Chegaram ao fim os longos momentos de tortura voluntária. Vesti fatos amarrotados. Gastei energias vãs. Cansei-me. Preocupei-me. Esgotei-me. Bebi cafés em catadupa. Desisti, por vezes, pelo caminho quando soube que seria totalmente em vão. Não dormi. Não tive tempo para mais. Fechei o carro com as chaves lá dentro. Perdi muitas horas à espera. Adiei compromissos. Ouvi música deprimente. E ficou tudo na mesma. Acabou.
 
Valeu a pena? Tudo vale a pena se a alma não é pequena.
 
E essa, pelo menos, ainda não ma conseguiram encolher.


Lina @ 23:00

Seg, 30/10/06

 

Oh linda, o que interessa é que tentaste! Deixo-te aqui um poema do nosso grande poeta:

Não sei quantas almas tenho.
Cada momento mudei.
Continuamente me estranho.
Nunca me vi nem acabei.
De tanto ser, só tenho alma.
Quem tem alma não tem calma.
Quem vê é só o que vê,
Quem sente não é quem é,
Atento ao que sou e vejo,
Torno-me eles e não eu.
Cada meu sonho ou desejo
É do que nasce e não meu.
Sou minha própria paisagem;
Assisto à minha passagem,
Diverso, móbil e só,
Não sei sentir-me onde estou.

Por isso, alheio, vou lendo
Como páginas, meu ser.
O que sogue não prevendo,
O que passou a esquecer.
Noto à margem do que li
O que julguei que senti.
Releio e digo : "Fui eu ?"
Deus sabe, porque o escreveu.

(Fernando Pessoa)

Outubro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10

15
17
18
20
21

22
23
25
26
27
28

29
31


Portugueses aqui
online
Portugueses desde 28Set2008
free hit counter
hit counter
Arquivo de Ideias
Procurar ideias
 
Portugueses que me recomendam
Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!
blogs SAPO