CFL @ 00:10

Sab, 17/03/07

Fazia-me festas na cabeça. Cantava-me canções de embalar. E guardo para sempre a memória daquelas mãos envelhecidas pela vida. A voz rouca e a melodia que entoava...

Senhora do Almortão ... minha tão linda raiana ...

Virai costas a Castela... não queiras ser castelhana...

O sabor de umas papas de bolacha. O toque suave que me penteava o cabelo. A sua roupa e o mesmo avental de sempre. As rugas profundas que marcavam uma vida. O olhar claro temperado de água. E aninhava-me assim naquele colo. E tudo ficava calmo. Não havia dúvidas, não havia medo. Crescer estava tão longe e ser pequena enchia o coração. Uma história entre duas voltas de renda em linha branca onde me ensinava a desenhar. O sorriso alegre que brindava à vida. O perfume que reconhecia todos os dias. E ali aconchegada o Mundo era perfeito enquanto ao longe ouvia...

Olha a laranjinha , que caiu, caiu...

No regato de água, nunca mais se viu...

Nunca mais se viu, nem se torna a ver...

Cravos à janela, rosas a nascer!

 

Quem me dera aconchegar-me agora no colo da minha bisavó. Acreditar outra vez, assim, na vida e ter a certeza de tudo.

 

 

 



Anónimo @ 14:26

Seg, 24/09/07

 

As avós são elementos importantes na nossa vida, são segundas mães que nos dão carinho, compreensão e muito conforto. Basta olhar para elas e vermo-nos nos seus olhos a sorrir; pena que a vida não dura para sempre senão as avós eram eternas.

Março 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
15
16

18
19
20
21
23
24

25
26
27
28
29
30
31


Portugueses aqui
online
Portugueses desde 28Set2008
free hit counter
hit counter
Arquivo de Ideias
Procurar ideias
 
Portugueses que me recomendam
Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!
blogs SAPO