CFL @ 15:25

Sex, 27/03/09

Se no dia 21 de Agosto de 2008 me dissessem onde ia estar hoje, talvez não acreditasse. E já passou mais de meio ano... Os dias passam tão depressa que é difícil reter a memória do que se passa com estes dias. Cresci? Não sei. Mudei? Talvez. Mas ninguém muda nunca o que é.

Se no dia 21 de Agosto de 2008 me dissessem que em meio ano a minha vida ia mudar, talvez não acreditasse. Talvez o desejasse, talvez o temesse... No dia 21 de Agosto de 2008 saí cedo de casa. Estava uma manhã de Setembro... e as cores de Lisboa eram deliciosamente diferentes e iguais. As borboletas que tinha no estômago batiam asas de mansinho. Por vezes, a ideia de todas aquelas coisas boas que esta Lisboa me podia trazer, fazia-me sorrir. E era bom ver o pôr-do-sol na praia. E tinha energia para correr atrás dos meus desejos, como se eles estivessem logo ali, no amanhã. No dia 21 de Agosto de 2008, queria tudo igual a antes, mas queria mais. E era por isso que tudo era deliciosamente diferente e maravilhosamente igual.

Corri atrás dos meus sonhos, empenhei-me em seguir com os outros. Não contava com as tempestades no caminho. Afinal... era Agosto e em Agosto nunca chove. Mas choveu. E ainda ninguém percebeu... mas gastei demasiada energia para segurar a minha casa nesses dias de tempestade. Não sei se alguma vez a vou recuperar.

Num mês, tudo aconteceu. E não houve tempo para prever, para planear, para perceber.

Sei o que quero, sei que estou no caminho certo. Mas agora tenho medo das tempestades... não sei se tenho energia para segurar outra vez uma casa. Quis mudar tanto na minha vida, que a voltei ao contrário... era preciso uma tempestade? Eu sempre pensei que não.

Ainda não consegui olhar bem para o que a tempestade deixou.

Não sei o que tenho de reconstruir, não sei o que perdi de vez.

Tenho medo de perder o que ganhei.

Tenho medo de nunca conseguir reconstruir a minha casa.

 

Às vezes, tenho saudades do sol daquelas horas de almoço só minhas, da infantil adrenalina que causavam.

Às vezes, tenho saudade da expectativa. Às vezes, tenho saudade daquele cheiro, daquelas cores, daqueles sons. Às vezes, tenho saudade de mim daqueles dias.

Mas aqueles dias já passaram, não voltam mais.

Assim como já não posso voltar o eu daqueles dias.

Perdi um pouco de mim na tempestade.

E agora, não sei onde me encontrar.

E não sei se sei como procurar.

 



Zeta @ 16:22

Sex, 27/03/09

 

Sabes amiga, ás vezes queria dizer-te muita coisa. Queria perguntar-te como tens conseguido manter a tua casa de pé. Queria perguntar-te como estão os remendos. Saber se os pensos que puseste na tua ferida a conseguiram fazer sarar um pouco ou se ela ainda continua tão aberta como naquele dia. Queria saber se já apagas a luz à noite. Saber se quando abres os olhos de manha a imagem ele te inunda o pensamento. Mas nunca fui capaz de o fazer. Desde aquele dia em que saí de tua casa depois daquela semana de loucos nunca mais consegui falar disso. Não consegui não só porque me custa falar disso mas também porque nunca sei se devo. Há uns tempos disseste-me que nestas situações não devemos puxar estes assuntos, disseste-me claramente (como se o destino te estivesse já a preparar e a mim para te ajudar) que se fosse contigo querias que as pessoas falassem de tudo menos disso. Pois é isso que tenho feito amiga. Mas quando paro para pensar, e acredita que paro muitas vezes, penso que se fosse comigo eu teria que falar senão acabaria por explodir, mas depois quando estamos juntas, o que é cada vez menos frequente e sempre a correr, acabo por não puxar esse assunto.
Desculpa se não te tenho acompanhado como era minha obrigação. Mas sabes que sou péssima nestes assuntos e por vezes tenho medo de te deixar ainda mais triste só por falar nisso.
Não sei como conseguiste manter a tua casa de pé, mas conseguiste amiga. Conseguiste desta vez e vais conseguir sempre que alguma tempestade se atravesse no teu caminho. E quando estiver a ser muito dificil, lembra-te que não tens que te levantar sozinha. Eu estou sempre aqui amiga. Confesso que tenho saudades de estar mais. Mas mesmo estando menos estou tanto quanto estava antes, porque sabes que mesmo quando não estou contigo estou sempre contigo.
E minha querida amiga, minha irmã, não perdeste nada de vez. Ganhaste o que tinhas perdido há algum tempo. Recuperaste o que, apesar de negares, te fazia muita falta e isso jamais voltarás a perder. Perdeste a imagem sim, perdeste o toque e perdeste a voz, mas ganhaste uma estrela, ganhaste um amor que há muito querias secretamente recuperar.
A tua casa está de pé amiga, ela continua firme, simplesmente precisa de uma arrumação, por isso vamos tratar de arrumá-la!
Beijinhos minha querida amiga

Março 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
28

29
30


Portugueses aqui
online
Portugueses desde 28Set2008
free hit counter
hit counter
Arquivo de Ideias
Procurar ideias
 
Portugueses que me recomendam
Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!
blogs SAPO