CFL @ 20:16

Seg, 24/07/06

O Sr. António anda feliz. É que vai comprar uma casinha nova. E ainda anda mais feliz porque vai ter de pedir um empréstimo ao Maior Banco de Portugal, aquele onde os funcionários públicos eram obrigados a ter conta há uns tempos se queriam receber o ordenado. Tudo parecia bem encaminhado, o Sr. António até conhece o gerente de uma das agências e até lhe dão o dinheiro todo que ele quiser porque ter amigos é bom.

 

Só que, um dia, ao entardecer, bateu-lhe à porte o Sr. Engenheiro para lhe avaliar a futura aquisição. O imóvelzito até é jeitoso... quatro assoalhadas espaçosas, um varanda a sul de uma ponta à outra da casa e um terraço exclusivo com mais de 100m2. Ah... e no centro da vila de Oeiras! E tudo isto pela módica quantia de 125 mil euros.

 

O Sr. Engenheiro resmungou "Boa tarde" com ar de poucos amigos enquanto o Sr. António lhe abria a porta. No alto da sua sapiência engénica indignou-se por a planta apresentada não ser daquela casa e o sr . António prontamente lhe explicou que estava a ver a planta de pernas para o ar. O Sr. Engenheiro não saiu do hall de entrada e apenas se limitou a dizer que o chão da casa era feio (lá isso é verdade). E depois, em jeito de despedida, disse ao Sr. António que ia ser difícil avaliar a casa pelo valor pretendido (150 mil euros).

 

No dia seguinte, enquanto o Sr. António se afadigava no seu local de trabalho, telefona-lhe o Sr. Engenheiro. "Mas que estranho!" - pensou logo o Sr. António - "O Sr. Engenheiro envelheceu muito rapidamente! Que voz tão envelhecida se ouve do outro lado do telefone!"

 

"Sabe?..." - começou o Sr. Engenheiro - "Ontem foi o meu filho que foi lá ver a sua casa! E ele não está a par do processo..." Neste momento o Sr. António começou a enrolar o farfalhudo bigode a tentar assimilar esta nova informação. "Se me arranjar um orçamento para obras podemos avaliar pelo valor que quer!". Orçamento para obras já têm eles, visto a casa estar mesmo em obras (o que foi comprovado pelo Sr. Engenheiro-que-afinal-não-era-engenheiro-mas-filho-do-pai )!!

 

No dia seguinte, lá se apressou o Sr. António a mandar o orçamento das obras. E aguardou por notícias. Qual não foi o seu espanto quando soube que a avaliação fora feita pelo valor pretendido não devido ao orçamento para obras mas porque, algures naquela semana, o Sr. Engenheiro-pai perdera o processo inteiro...

 

 



kaos @ 13:37

Ter, 01/08/06

 

Incrivel, mas demonstrativo de como funcionam as coisas neste jardim. Não ter havido a alusão a uns dinheiritos por fora é que é de estranhar

Lina @ 17:58

Qui, 10/08/06

 

LOLOLOL!!!

Julho 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
15

17
18
19
20
21
22

23
25
26
27
28
29

30
31


Arquivo de Ideias
Procurar ideias
 
blogs SAPO