Co_ris_co @ 17:51

Qua, 18/10/06

 

Boa tarde, será que a despenalização do aborto vai reduzir o número de mortes de seres humanos? Não estaremoas a entrar numa anarquia total? Quem controlaria esta situação? Antes de mais temos de ser responsáveis pelos nossos erros. Se não houve cuidado ou se houve um discuido durante as relações sexuais será que o inocente é que vai ter de pagar com a vida pelo erro de outrém? Matar é crime. Tanto o que vai à procura do serviço como o que o executa deve ser fortemente penalizado. Sou radicalmente contra o aborto sejam quais forem as circunstâncias. Saúde.


CFL @ 20:10

Qua, 18/10/06

 

Co_ris_co,

Obrigada pelo sua visita e comentário. A discussão, quando, quando bem dirigida, é sempre bem-vinda. Concordo com o que diz. É verdade que nos devemos responsabilizar pelos nossos actos e é verdade que não se pode simplesmente despenalizar o aborto e esquecer a sua regulamentação.

Juridicamente, os crimes são-no por atentarem contra bens essenciais - a vida é um deles. Mas, cientificamente, podemos falar de vida - na sua verdadeira acepção - antes das 10 semanas? Ninguém sabe. E que tipo de vida? Ninguém sabe. Não será função do Estado garantir a continuação da vida de quem já efectivamente vive? Não será função do Estado garantir bons cuidados de saúde a todos os cidadãos?

Os argumentos contra a despenalização baseiam-se todos na defesa da vida do nascituro. Têm todos uma base moral. Mas, mesmo condicionada pela sociedade, a moral é pessoal. E nesta situação não o podia ser mais, sob pena dos resultados serem mais gravosos. É um sentimento que deve ser deixado a cada um. Pessoalmente, provavelmente não o faria. Mas não posso impôr o meu sentimento aos outros.

Agradeço mais uma vez o seu comentário e espero que nos visite novamente!

Um abraço

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.