CFL @ 02:04

Sab, 24/02/07

Era uma vez uma Faculdade onde não existem critérios de avaliação. O que pode ser bom, pois às vezes os alunos têm agradáveis surpresas. Enquanto uns descem de 13 para 5, outros sobem de 5 para 13 - mas habitualmente descem. Tudo depende da disposição de quem lhes corrige o exame, de uma letra mais afinada e, claro, do que prevê o horóscopo daquele dia. No fundo, no fundo, resume-se tudo a uma grande dose de sorte ou a um previsível azar dos diabos.

 

Claro que a sorte não se fica pela mãozinha de Deus quando distribui os exames pelos diferentes correctores. A sorte está determinada à partida. É importante o aspecto jurídico da coisa. E do aluno também. Um sorriso amarelo de esguelha ou um aceno de cabeça interessado enquanto se pensa na festa de logo à noite. Mas estas pequenas sortes, determinadas por uma ida ou outra ao cabeleireiro e à Massimo Dutti  ou por uma grande dose de autocontrolo , são secundárias. Sorte, sorte é o assistente que nos calhar na rifa!

 

Era uma manhã de nevoeiro e ela entrou naquela sala de aula onde o frio impera. Cinco minutos depois já todos se benziam. A sorte abandonara-os e talvez nem com os sorrisos amarelos se conseguissem safar. O olhar distante e assustadoramente perdido noutros tempos. A voz arrastada pela frieza da manhã. O incessante repetir das mesmas frases políticas, já que muito falava mas nada dizia. No caderno, só a data. No cérebro só o medo que a experiência daquelas vagas de azar sabia reconhecer.

 

(Continua)



Fevereiro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
22
23

26
27
28


Portugueses aqui
online
Portugueses desde 28Set2008
free hit counter
hit counter
Arquivo de Ideias
Procurar ideias
 
Portugueses que me recomendam
Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!
blogs SAPO