CFL @ 00:40

Qui, 11/05/06

Navegando na bruma do antigo Blog encontrei um pensamento já velhinho que não posso deixar de partilhar aqui, muito embora pouco tenha a ver com o momento actual...

 

29 de Março de 2005

 

A Europa jaz, posta nos cotovelos:
De Oriente a Ocidente jaz, fitando,
E toldam-lhe românticos cabelos
Olhos gregos, lembrando.


O Cotovelo esquerdo é recuado;
O direito é em ângulo disposto.
Aquele diz Itália onde é pousado;
Este diz Inglaterra onde, afastado,
A mão sustenta, em que se apoio o rosto.


Fita, com olhar esfíngico e fatal,
O Ocidente, futuro do passado.


O rosco com que fita é Portugal.


                                   Fernando Pessoa, Mensagem


A Europa é uma senhora escondida. É uma senhora desconhecida, pelo menos da maioria dos "seus" cidadãos. A Europa é boa, dá-nos subsídios. A Europa é boa, não precisamos de passaporte para ir a Espanha. A Europa é boa, ajudou a modernizar a nossa agricultura. A Europa é boa, sem ela Portugal ainda estaria num período pós-revolucionário, sem ela Portugal ainda estaria toldado por reminescências fascistas.

 

Mas a Europa é também uma senhora escondida atrás de um capuz. A Europa espera nas sombras para poder aparecer. Escuta. Observa. Aproveitando-se do desconhecimento e pouco interesse dos "seus" cidadãos, prepara o seu ataque nas trevas. Primeiro uma directiva, depois um regulamento. Depois uma Constituição. A manifestação clara de soberania de um país. E assim vai a senhora engordando. Cravando o seu garfo nas tenras competências dos Estados. Extendendo o seu manto aos cantos mais profundos de uma nacionalidade. E escondida de capuz atrás dos arbustos sussurra-nos que é boa. Que tudo vai melhorar. Que a fruta já não vem de Espanha, que os subsídios são para sempre nossos, que as fronteiras abertas são o bem supremo. Silenciosa, espera. Se Júlio César, Carlos V e Napoleão alguma vez tivessem esperado nas sombras, de capuz...

 




CFL @ 00:20

Qui, 11/05/06

"O primeiro-ministro, José Sócrates, afirmou esta quarta-feira que a política de encerramento de algumas maternidades tem como preocupação central reduzir a mortalidade infantil e "salvar mais vidas" e acusou o PSD de fazer "demagogia"."

In Sic Online

 

Se o PSD está a fazer demagogia, o que faz o governo?

 

Escuda-se atrás de uma vergonhosa desculpa, invocando até a Organização Mundial de Saúde para justificar o que só tem uma justificação: que este governo quer querer, poder e mandar e que viu no encerramento das maternidades mais uma reforma desnecessária mas necessária para garantir a sua marca. Este governo só quer marcar. E pela negativa.

 

A mortalidade infantil e perinatal não desceu desde o final da década de 80 porque Leonor Beleza encerrou 150 maternidades! Desceu porque os conhecimentos e cuidados médicos evoluíram! Isto sim é demagogia. E da mais pura.

 

E é assim que se tenta incentivar a natalidade...

 

 



Maio 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
16
18
19

21
22
23
24
25
27

28
29
30
31


Arquivo de Ideias
Procurar ideias
 
subscrever feeds
blogs SAPO